OPINIÃO DA EDITORA

Sou desse tempo. A cidade parava, literalmente, para celebrar os professores do Estado com um ‘lauto’ jantar! Uma festa! No cardápio, a ‘cascuda’ era o prato principal. Ainda podia se deliciar com outras as várias iguarias que deslumbravam o olhar e o paladar. Um verdadeiro banquete dos deuses. Lembro de uma dessas celebrações, que aconteceu no Colégio São Francisco de Assis, comandada por Fueth Paulo Mourão e pela dona Leonor Santiago Mourão, eles, que faziam da profissão um verdadeiro sacerdócio. Esses encontros também eram frequentados pelo governador e por todos os secretários de Estado, que a população conhecia por nome e sobrenome. Essas lembranças vieram fortes, ternas e, por isso, quero homenagear todos os professores em nome de Maria do Perpétuo Socorro de Macedo Mendes, minha mestra que seguiu comigo por todo o curso primário e das Madres Santos, Costa, Peixoto, Menezes, Lima, elas, do Colégio Santa Dorotéia, onde fiz o Admissão e cursei todo o Ginasial. Sim, depois fiz o Magistério, no São Francisco de Assis, e tive como mestres, entre outros bambas na arte de ensinar, a professora Sofia Nasser e o professor José Nasser.  A todos, das antigas e atuais professores, que seguem com esse ofício tão magnífico de ensinar, meus parabéns! Só sei que era assim. Sou desse tempo.

Leia também...

Os comentários são de inteira responsabilidade do autor e não expressam a opinião do Portal.
Você pode ser denunciado caso comente algo racista, injúria ou conteúdo difamatório.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code