Manaus,
×
Manaus,

Teatro

Teatro Amazonas abre as cortinas para a passagem da malandragem

A montagem amazonense da Ópera do Malandro, envolve mais de 40 pessoas no palco e fora dele


A Ópera do Malandro, um clássico musical do teatro brasileiro, escrito por Chico Buarque de Holanda na década de 70, no apogeu da ditadura militar no Brasil, chega ao Teatro Amazonas, em montagem 100% cabocla, em pleno mês do Carnaval – dias 17 e 18 de fevereiro –, sob os olhares e comando da Casa de Artes Trilhares. A história atravessou séculos, continentes, mudou estruturas e formas de ser contada ao público, mas mantém o foco principal: a crítica social a uma sociedade corrompida.

opera-do-malandro-3

(Foto: Divulgação)

Escrita originalmente no século XVIII (1728) pelo inglês John Gay, com o título Ópera dos Mendigos, a obra foi uma sátira à “Nova Era”, onde riqueza e ruína caminhavam a par. Bertolt Brecht e Kurt Weill criaram uma nova versão, com a Ópera dos Três Vinténs (1928), levando aos palcos uma peça precursora em inovação estética e introduzindo a música como elemento central do universo burguês.

Chico Buarque se inspirou na obra de Brecht, mas seus personagens se identificam com as de Gay, onde o crime (submundo) e a lei (a elite social) convivem em um universo paralelo de cumplicidade.

“Seguimos o roteiro escrito por Chico Buarque, que nos traz a realidade dos malandros cariocas dos anos 40. Em meio ao romance de Max, o grande contrabandista carioca, e Teresinha, filha do maior cafetão da Lapa, histórias se cruzam sob uma perspectiva atemporal, retratando prostituição, contrabando, agiotagem, roubo, interesses políticos, econômicos e sociais, questões que ainda vemos e vivemos”, explica a diretora da peça, Dávilla Holanda.

opera-do-malandro-2

(Foto: Divulgação)

A montagem amazonense, a segunda feita pela Trilhares, da Ópera do Malandro, envolve mais de 40 pessoas no palco e fora dele. A diretora conta que o espetáculo traz uma visão escrachada dos dias atuais, a exemplo de Brecht, por meio do exagero. “A ideia é que fique socialmente escancarada, através da atuação e dos elementos que a irão compor. Onde o belo nem sempre é tão belo assim”, destaca.

Mais de 50 anos após ser encenada pela primeira vez, a Ópera do Malandro continua despertando interesse e curiosidade. A ativação nas redes sociais promovida pela Trilhares rendeu mais de 30 mil visualizações em dois dias de publicação. “Isso demonstra que o público está interessado”, diz a diretora da companhia, Rafaela Guimarães.

opera-do-malandro-1

(Foto: Divulgação)

Para saber mais consulte as redes sociais do evento: @casatrilhares @operadomalandroam

SERVIÇO:

Título do evento: ÓPERA DO MALANDRO

Duração: 12O min

Classificação Etária: 16+

Local: Teatro Amazonas

Dias: 17 e 18 de fevereiro

Você também pode gostar...

Os comentários são de inteira responsabilidade do autor e não expressam a opinião do Portal Mazé Mourão. Você pode ser denunciado caso comente algo racista, injúria ou conteúdo difamatório.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 2 =