Manaus,
×
Manaus,

Carnaval

Bailarina do Amazonas é destaque na Salgueiro representando os povos Yanomami

A amazonense Cleia Santos dá voz aos povos originários na comissão de frente da escola de samba Acadêmicos do Salgueiro


Com a flecha para tocar o coração da sociedade não indígena, a representatividade da bailarina amazonense Cleia Santos no Carnaval do Rio de Janeiro simboliza não só a expressão cultural do estado, mas de todo o país. Integrante do Corpo de Dança do Amazonas (CDA), Cleia faz parte da comissão de frente da escola de samba Acadêmicos do Salgueiro, que leva para a Marquês de Sapucaí o enredo “Hutukara”, exaltando o povo indígena Yanomami.

cultura_bailarina-cleia-_-divulgacao

Divulgação/Secretaria de Cultura e Economia Criativa

A amazonense destaca a grande responsabilidade que é transpor em cena uma cultura que se revela tão forte em suas vivências. Considerando um grande acontecimento, ela ressalta as altas expectativas para o desfile da escola carioca.

“Eu me sinto representando todos os povos indígenas na avenida e é de uma responsabilidade e uma força muito grande. Acho que isso se dá pelas questões que eu vivo. Eu tenho sangue indígena, que é muito latente na minha vida. A gente vai fazer um trabalho incrível e será um desfile muito potente e representativo”, enfatiza Cleia.

O CDA é um dos corpos artísticos do Governo do Estado, coordenado pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa. E foi durante a turnê da companhia no Rio de Janeiro, que Cleia recebeu o convite dos dirigentes da Salgueiro.

Com vocação para a dança desde a infância, a amazonense deu os primeiros passos artísticos aos 8 anos, em um projeto social da zona leste de Manaus, onde construiu uma base forte como artista. Chegando ao Balé Experimental do CDA aos 15 e, com muita dedicação, a jovem integrou o elenco do corpo artístico em 2018, aos 19 anos. Atualmente, ela se destaca em espetáculos com temática indígena.

“Foi muito importante percorrer esses três caminhos, porque em cada um deles eu fui amadurecendo a minha dança e a minha arte. Hoje, no CDA, busco aprimorar cada vez mais esses conhecimentos, vivenciando o que a companhia tem para oferecer e fazendo parte de espetáculos como o ‘Mata’, que também fala sobre esse apagamento histórico dos povos indígenas e ‘TA – sobre ser grande’, que segue o mesmo tema”, conclui.

cultura_bailarina-cleia-1-_-divulgacao

Divulgação/Secretaria de Cultura e Economia Criativa

Em defesa da Amazônia

Levando um tema reflexivo para a Marquês de Sapucaí, a agremiação salgueirense pretende levantar a bandeira pela defesa da Amazônia. A escola de samba denuncia problemas como saúde pública, garimpo, desnutrição e malária, que ainda persistem na terra indígena Yanomami, apesar das medidas de ajuda ao longo desse período.

Com direito a estátua na penúltima alegoria, o indigenista Bruno Pereira e o jornalista inglês Dom Phillips, mortos em junho de 2022, nas proximidades do município de Atalaia do Norte, no Amazonas, serão lembrados pela Acadêmicos do Salgueiro. A ministra dos Povos Indígenas, Sônia Guajajara, além de outras lideranças indígenas, também participará do desfile da vermelha e branca, em fevereiro.

Você também pode gostar...

Os comentários são de inteira responsabilidade do autor e não expressam a opinião do Portal Mazé Mourão. Você pode ser denunciado caso comente algo racista, injúria ou conteúdo difamatório.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete + dezesseis =