Manaus, 30 de junho de 2022
×
Manaus, 30 de junho de 2022

Geral

“Balés Brasileiros” no Teatro Amazonas através dos Corpos Artísticos do Estado


Reunindo o Balé Jovem Claudio Santoro, Balé Experimental do Corpo de Dança do Amazonas, Corpo de Dança do Amazonas, Coral do Amazonas e Amazonas Filarmônica, o espetáculo “Balés Brasileiros” estreia em breve temporada no Teatro Amazonas, dentro da programação da Série Guaraná XVI. Com apresentações de quarta a sexta-feira (27, 28 e 29/11), às 20h, e no domingo (1º/11), às 19h, o espetáculo – promovido pelo Governo do Estado por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, com patrocínio do Guaraná Antarctica – tem entrada gratuita e classificação indicativa para 10 anos.

Com duração de duas horas, “Balés Brasileiros” apresentará “Alvorada na Floresta Tropical” (Heitor Villa-Lobos), com coreografia de Sumaia Farias; a estreia mundial da cantata cênica “Romance das Icamiabas” (Nivaldo Santiago), com coreografia de Monique Andrade; o poema sinfônico “Imbapara” (Oscar Lorenzo Fernández), com coreografia de Adriana Goes; e o bailado “Maracatu de Chico Rei” (Francisco Mignone), com coreografia de Nonato Mello e Remilton Souza.

Regente do espetáculo, o maestro Luiz Fernando Malheiro fala sobre a tradição da Filarmônica em fazer um espetáculo com balé. “Todos os anos, sempre em novembro, a Filarmônica faz um espetáculo com o CDA, ou com o Balé Experimental. Nos últimos anos fizemos muitos balés de compositores russos, Stravinsky entre eles com mais destaque, mas esse ano resolvi fazer um repertório só de compositores brasileiros”, conta. “Temos muitas obras desde o século 19 até hoje, composições contemporâneas que ficam engavetadas, tocamos um trecho ou outro em concertos, mas raramente se faz como balé, como os compositores idealizaram”, comenta.

Sobre a escolha do repertório, Malheiro destaca as similaridades das obras. “Villa-Lobos, Lorenzo e Mignone são compositores mais ou menos da mesma época, todos voltados para a música nacionalista, para temas indígenas. A obra de Villa-Lobos, por exemplo, chama ‘Alvorada na Floresta Tropical’; a do Lorenzo é um poema ameríndio, ‘Imbapara’; de Mignone, um maracatu, o ‘Maracatu de Chico Rei’. Todas obras voltadas e pensadas nos assuntos históricos como natureza, indígena e o maracatu também, com o período da escravidão, influência de outros ritmos”, aponta.

Serviço: Espetáculo “Balés Brasileiros”, com Balé Jovem Claudio Santoro, Balé Experimental do Corpo de Dança do Amazonas, Corpo de Dança do Amazonas, Coral do Amazonas e Amazonas Filarmônica

Data/hora: De quarta a sexta-feira (27, 28 e 29/11), às 20h; e domingo (1º/11), às 19h

Local: Teatro Amazonas, avenida Eduardo Ribeiro, Centro

Entrada: Gratuita

Classificação indicativa: 10 anos

Você também pode gostar...

Os comentários são de inteira responsabilidade do autor e não expressam a opinião do Portal Mazé Mourão. Você pode ser denunciado caso comente algo racista, injúria ou conteúdo difamatório.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

code