Manaus,
×
Manaus,

Cultura

Secretaria de Cultura e Ibram debatem acerca do Plano Nacional Setorial de Museus 2025-2035

O Secretário de Cultura Marcos Apolo e a Presidenta do Ibram Fernanda Castro assinaram termo de cooperação técnica


O Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, e o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) promoveram, nesta sexta-feira (14), no Palacete Provincial, o primeiro evento do Programa (re)CONEXÕES na região Norte. O evento foi realizado com o apoio da Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

cultura_reconexoes_ibram_marcely_gomes_02

Foto: Marcely Gomes/Secretaria de Cultura e Economia Criativa

Lançado em janeiro deste ano, o (re)CONEXÕES é uma retomada do Programa Conexões, lançado pelo Ibram em 2012. O programa tem como objetivo realizar uma consulta ampla, democrática e potente, visando coletar contribuições para a construção do Plano Nacional Setorial de Museus 2025-2035, um documento de planejamento global e de longo prazo voltado ao setor museológico no Brasil.

De acordo com o secretário de Cultura e Economia Criativa, Marcos Apolo Muniz, essa iniciativa gera um apoio fundamental, uma conexão necessária para que a sociedade possa avançar com respeito à preservação e registro da memória nos museus. Na ocasião, o secretário e a presidenta do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Fernanda Castro, assinaram termo de cooperação técnica.

“Ficamos felizes em recebê-los em nossa região, em ter essa permissão e oportunidade. É a primeira vez na região Norte, começando pelo Amazonas. O governo Wilson Lima vem procurando fazer esse trabalho de manutenção e valorização da história, da memória, através de nossos museus.” destacou o secretário.

“São equipamentos que servem à sociedade. Aqui, atendemos alunos de diversas idades, pesquisadores também, e integrarmos esse sistema, com demais equipamentos do país e com o governo federal. O governo federal tem sido mais presente em todo o país, saindo da capital, dialogando, chegando mais próximo, conhecendo as realidades. E isso é importante para que a gente possa evoluir nessa política pública.” afirmou o secretário.

cultura_reconexoes_ibram_marcely_gomes_03

Foto: Marcely Gomes/Secretaria de Cultura e Economia Criativa

A presidenta do Ibram, Fernanda Castro, explica a importância de chegar até este momento, onde será possível estabelecer parcerias a partir de uma orientação com o Governo Federal.

“A gente precisa estabelecer políticas de estado, não políticas de governo, mas políticas do estado. É isso que a gente quer fazer, construindo um Plano Nacional Setorial de Museus, o nosso PNSM. Tudo isso para que a gente chegue em novembro, no Fórum Nacional de Museus, com o nosso Plano Nacional Setorial e uma articulação nacional por meio do sistema Brasileiro de Museus.”

“Nosso objetivo é também fazer com que o Sistema Brasileiro Nacional de Museus se fortaleça. É um sistema que já existia no papel há 20 anos e estamos aqui pela primeira vez assinando esse acordo para poder fazer com que o sistema no Amazonas integre o Sistema Brasileiro de Museus. E o Ibram possa apoiar as pessoas, as instituições, as secretarias e os municípios e também os agentes que estão tentando fazer com que os nossos museus aconteçam.” explica a presidenta.

cultura_reconexoes_ibram_marcely_gomes_04

Foto: Marcely Gomes/Secretaria de Cultura e Economia Criativa

A professora e coordenadora geral do Comitê Gestor da Política Indigenista da Universidade federal do Amazonas (UEA), Jocilene Gomes da Cruz, destaca com orgulho a participação desse momento histórico que está iniciando.

“Nós estamos iniciando um processo muito relevante, quando olhamos para nossa região e entendemos que ela é grandiosa, mas grandioso mesmo é o que está dentro dela que é essa diversidade cultural extraordinária, esses incríveis lugares e pessoas que a gente precisa dar visibilidade, e que a gente precisa conhecer e precisa fortalecer.

Para Jocilene Gomes, é necessário um outro movimento, que é o movimento das pessoas que estão nas comunidades, que estão nos territórios indígenas e que possuem os seus museus a partir das suas perspectivas, das suas compreensões do que sejam os seus museus, as suas casas de referência, dos seus lugares de memória, as suas casas de saberes. “enfim, todos os nomes pelos quais eles chamam os seus lugares de memória.” destaca.

“Esperamos que um dia a gente possa ter. de fato, uma visibilidade ampla, um reconhecimento que a gente possa vivenciar essa cultura tão forte, tão presente, e que precisa estar nesses lugares para que sejam construídas políticas públicas que enxerguem essa diversidade, esse patrimônio cultural extraordinário.” expressa Jocilene.

No evento, estavam reunidos os fazedores de cultura, profissionais de museus, grupos sociais, pessoas que dedicam a sua vida e lutam pela cultura local, pelos museus, pela museologia na cidade de Manaus. E contou também com com a cantora Simone Ávila, que cantou os sucessos, porto de lenha, brasileira, vento norte, entre outras regionalidades.

Você também pode gostar...

Os comentários são de inteira responsabilidade do autor e não expressam a opinião do Portal Mazé Mourão. Você pode ser denunciado caso comente algo racista, injúria ou conteúdo difamatório.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × dois =