Manaus,
×
Manaus,

Brasil e Mundo

Investigação sobre casos suspeitos de rabdomiólise no Amazonas

Monitoramento é detalhado e inclui instituições de outros estados e órgão do Governo Federal


A Secretaria de Estado da Saúde (SES-AM), por meio da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – Drª Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP) tem monitorado os casos suspeitos de rabdomiólise no estado seguindo duas frentes paralelas de atuação. O Grupo de Trabalho montado pelo Governo do Estado, que está investigando as possíveis causas da síndrome no Amazonas, inclui, além de secretarias estaduais, universidades e órgãos do Governo Federal.

De acordo com a diretora-presidente, a outra frente é composta por um grupo maior, que inclui instituições de fora do Amazonas. É o caso do laboratório da Universidade de Santa Catarina, que está fazendo a análise do pescado coletado no Amazonas, para identificar toxinas que podem estar presentes nos peixes.

(Foto: Divulgação)

Além da FVS-RCP, participam do Grupo de Trabalho a secretaria de Estado de Saúde (SES-AM); Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD); Fundação Oswaldo Cruz – Instituto Leônidas e Maria Deane (Fiocruz/Amazônia), Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (Adaf); Secretaria de Estado da Produção Rural (Sepror); Universidade do Estado do Amazonas (UEA); Universidade Federal do Amazonas (Ufam); Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária e Superintendência Federal de Agricultura no Amazonas, do Ministério da Agricultura; e Ministério da Saúde.

A diretora-presidente da FVS-RCP ressaltou que a Fundação não impõe, neste momento, restrições ao consumo de peixes.

Dos nove novos casos em investigação epidemiológica, cinco são de Itacoatiara, três de Manaus e um de Itapiranga. Os pacientes de Manaus são dois homens (de 18 e 39 anos) e uma mulher (de 30 anos). Já os casos de Itacoatiara são três homens (28, 32 e 43 anos), e duas mulheres (46 e 33 anos). O paciente de Itapiranga é um homem (de 27 anos).

Dos 78 casos suspeitos da síndrome, dez pessoas seguem internadas, sendo nove de Itacoatiara e um de Itapiranga. Todos os pacientes estão estáveis.
O boletim de Situação Epidemiológica da Rabdomiólise no Amazonas aponta que os peixes mais consumidos e envolvidos nos casos de suspeita da síndrome investigados são: pacu (40%), tambaqui (37%) e pirapitinga (30%). Ainda conforme o boletim, 100% dos peixes consumidos são de vida livre, 85% são procedentes de rios e 9% de lagos.

Você também pode gostar...

Os comentários são de inteira responsabilidade do autor e não expressam a opinião do Portal Mazé Mourão. Você pode ser denunciado caso comente algo racista, injúria ou conteúdo difamatório.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − 20 =