Manaus,
×
Manaus,

Amazonas

Governo do Amazonas articula a liberação dos serviços de dragagem que iniciarão no segundo semestre

Vias fluviais terão sua profundidade ampliada para facilitar a navegação, visando a estabilidade econômica da ZFM mesmo durante a seca


Os serviços de dragagem, uma das ações de enfrentamento à estiagem proposta pelo Governo do Amazonas, devem iniciar no segundo semestre deste ano, após articulação do Estado com o Governo Federal. A informação foi confirmada pelo titular da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti), Serafim Corrêa, durante reunião com o governador do Amazonas, Wilson Lima, na segunda-feira (6).

governo-do-amazonas-articula-a-liberacao-dos-servicos-de-dragagem-que-iniciarao-no-segundo-semestre_foto-diego-peres-secom-1

Fotos: Diego Peres/Secom

De acordo com Corrêa, a indústria está otimista com o início das obras em agosto deste ano, pois a dragagem dos rios busca prevenir prejuízos à navegação de grande porte e é importante para o escoamento de cargas e produtos da Zona Franca de Manaus, antecipando-se a uma possível estiagem severa neste ano.

“Todos nós estamos preocupados, mas estamos agindo preventivamente. O Governo Federal caminha para iniciar a dragagem. Gostaríamos que começasse em junho. O Governo disse que só seria possível começar em setembro, mas o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) sinalizou que pode iniciar em agosto”, pontuou Serafim.

governo-do-amazonas-articula-a-liberacao-dos-servicos-de-dragagem-que-iniciarao-no-segundo-semestre_foto-diego-peres-secom-2_secretario-da-sedecti_serafim-correa

Fotos: Diego Peres/Secom

Serafim destacou ainda que, após a realização da batimetria (medição da profundidade dos rios), foi sugerido a dragagem de 2 quilômetros na Enseada do Madeira e 1 quilômetro na Costa do Tabocal.

A dragagem de um rio consiste em remover sedimentos e resíduos decantados no fundo, que reduzem sua profundidade e prejudicam a navegabilidade. Ao dragar um rio ou outro corpo d’água, a profundidade é ampliada, facilitando o trânsito de embarcações.

O titular da Sedecti também mencionou a instalação de um píer provisório, antes da Enseada do Madeira, para a atracação de navios, eliminando a necessidade de retorno do navio. Esse projeto está sendo planejado pelo Grupo Chibatão.

“Caso haja algum problema, será feito um transbordo da redução de carga com a passagem dela para balsas que a trarão para Manaus. Isso é muito melhor que retornar o navio para a Vila do Conde. Medidas preventivas estão sendo tomadas. A estiagem vem, mas estamos prontas para enfrentá-la”, declarou Serafim.

Desde março deste ano, o governador Wilson Lima, tem se reunido com o Governo Federal, a exemplo dos ministérios de Portos e Aeroportos, de Integração e Desenvolvimento Regional e de Meio Ambiente e Mudança do Clima, solicitando apoio na antecipação de ações que minimizem os impactos da estiagem no Amazonas.

Você também pode gostar...

Os comentários são de inteira responsabilidade do autor e não expressam a opinião do Portal Mazé Mourão. Você pode ser denunciado caso comente algo racista, injúria ou conteúdo difamatório.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze − oito =