Manaus,
×
Manaus,

Festival de Parintins: Produção e utilização de adereços regionais aquece a economia criativa

Trabalho de artesãos que produzem adereços regionais é honrado durante a temporada e preserva as raízes culturais do Festival


A grande celebração do Festival de Parintins, promovido anualmente pelo Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, no último fim de semana do mês de junho, cria uma demanda por adereços de inspiração regional e indígena, que já são tradição no período bovino.

img-20240612-wa0012

Foto: Marcely Gomes/Secretaria de Cultura e Economia Criativa

A festa, realizada no Bumbódromo da cidade de Parintins (a 369 quilômetros de Manaus), estimula e promove a utilização de adereços regionais. A produção e uso desses adereços ganham destaque pela estética e pela importância cultural que carregam. Abraçar essa tradição e participar do evento vestido a caráter, valorizando e honrando as raízes culturais da região, se torna praticamente imperativo.

Islene Botelho, 67 anos, mãe de dois filhos, além de ser servidora pública, jornalista, escritora e carnavalesca, com três livros publicados, é estilista e especialista em acessórios com plumagem. A história dela tem suas raízes há 45 anos, quando seu irmão, Werner Botelho, também artista e aderecista, tinha um ateliê na residência onde moravam juntos.

Foto: Marcely Gomes/Secretaria de Cultura e Economia Criativa

Legado de gerações

Inspirada pela influência artística de sua família, que incluía mãe e irmãos também ligados à arte, Islene desde cedo se envolveu com os bois-bumbás, desenvolvendo um gosto pela confecção de acessórios através do trabalho de seu irmão. Infelizmente, Werner faleceu em 2019, deixando um legado artístico para todos. Islene decidiu manter viva a tradição da família, continuando o ateliê do irmão, que se destacava especialmente na arte da plumagem.

“Esse é o terceiro ano que voltei a trabalhar no ateliê. Eu me inspiro na arte do Werner. Às vezes, eu quero fazer uma peça, e ele tinha um lema que carrego comigo como aprendizado, ‘Quem não ouve, copia’, então a regra do ateliê é nenhuma peça repetida, é tudo exclusividade”, afirma.

Este ano, Islene manteve produção de adereços nas horas vagas. Ela já confeccionou peças para artistas de fora de Manaus, além dos artistas locais ligados ao boi. A estilista relata que, atualmente, trabalha mais com acessórios femininos e que utiliza vários tipos de materiais em suas produções. “Costumo fazer uma peça de cada, são diversos tipos de penas, são contas, pedrarias, pérolas, linhas, como a linha de tucum, que é necessária e brilho, muito brilho” explica a artesã.

Festival de Parintins e a economia local

Durante o festival de Parintins, há um impulso na economia local, especialmente para os artistas que produzem esses adereços regionais. Segundo a estilista, o festival oferece uma oportunidade de obter uma renda boa, permitindo que os artistas ganhem um dinheiro extra. Em média, ela produz entre 100 a 140 acessórios, com preços variando de 300 a 500 reais, dependendo da quantidade de pena utilizada.

A estilista que também produz para o carnaval, relata que inicia as produções dos adereços quando termina o período carnavalesco. Com a ajuda de sua amiga Denize Araújo, Islene já começa a se preparar para produzir especialmente para o festival de Parintins. Ela revela que houve um aumento nas vendas comparado ao ano passado. “A participação de Isabelle no Big Brother, divulgando nosso festival, teve um impacto gigante em alcançar mais pessoas. Antes, minhas vendas eram da cor azul, mas este ano estou observando uma preferência pela cor vermelha”, destaca.

Da tradição às celebridades

Durante uma visita a Parintins, a figurinista levou algumas peças que havia produzido e, em uma noite, recebeu um telefonema informando que a atriz Susana Vieira estava interessada em conhecer os acessórios que ela havia feito. “Para minha surpresa, ela comprou e chamou seus amigos para ver. Fiquei muito feliz e ainda mais quando vi ela e o David Brasil usando minhas peças na revista Caras por dois, três anos. Isso é muito gratificante”, disse a estilista.

Ela também lembra de ter recebido um vídeo da atriz Letícia Colin dançando com suas peças em um camarote no ano passado, assim como Nicole Balls.

Inspiração no festival folclórico

Outro artesão que começou a confeccionar acessórios inspirado no grande festival folclórico é Leonardo Brandão, 43 anos, engenheiro florestal, artesão e dono do ateliê Manauy Acessórios. Começou a produzir adereços em 2018 para uso próprio durante o festival de Parintins. Após receber elogios dos amigos, decidiu começar a vendê-los. Com o incentivo, criou um perfil no Instagram e expandiu sua produção, desenvolvendo novos modelos e cores.

Foto: Marcely Gomes/Secretaria de Cultura e Economia Criativa

“Minha inspiração vem do boi, uma manifestação cultural única, as fantasias, acessórios e aves amazônicas usadas na arena são referências importantes. Além disso, o desenho Cavaleiros do Zodíaco é uma grande fonte de inspiração, com suas armaduras e penas, que também apresenta adornos de penas associados aos deuses. As proporções e formas dessas referências anime me inspiram na criação dos meus acessórios”, expressa.

Leonardo afirma que utiliza diversos materiais, como penas, sementes e miçangas, produção dos seus acessórios. “As penas são o principal componente, sendo importadas da China. As sementes são de artesãos locais que produzem, como as sementes de açaí, e buriti, a paxiúba, que vem da Colômbia, e discos de coco, que vêm de Fortaleza. Cada peça tem o seu conceito de cor”, explica Leonardo

Entre os adereços que Leonardo produz, ele demonstra muito orgulho na produção das asas, que ele deu o nome de ombreira suprema, sendo o modelo mais diferente que criou até hoje.

“Me orgulho muito de estar criando e estar trazendo ideias novas, me orgulho de ter feito, pela dificuldade, pela originalidade, pelo desafio que foi criar essas peças que realmente são peças novas nesse mundo dos acessórios”, expressa.

Motivado em buscar novas tendências

Chegando neste período de produzir acessórios, o artesão explica que gosta de misturar um pouco o Angel da Victoria’s Secret. Essa pegada de moda misturando com o do indígena, com a moda Victoria’s Secret e com o anime. Criar novas tendências e inserir novos conceitos no mundo dos acessórios.

Além do ateliê, Leonardo foi convidado para expor alguns de seus acessórios selecionados na loja Kwati Club, que tem uma unidade no Manauara e outra no Amazonas Shopping. Trata-se de uma loja de temporada, onde fazem um espaço para vender roupas, pulseiras e acessórios ligados ao Festival de Parintins.

Você também pode gostar...

Os comentários são de inteira responsabilidade do autor e não expressam a opinião do Portal Mazé Mourão . Você pode ser denunciado caso comente algo racista, injúria ou conteúdo difamatório.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 + quatro =